Bem-estar

Para a gente se sentir bem é preciso se cuidar. Mas às vezes batem tantas dúvidas que fica difícil, não é mesmo?
Aqui, você encontra dicas especiais e aquele apoio para deixar a sua vida mais saborosa.

Já sabe o seu IMC? Descubra aqui

Mitos e verdades sobre a sucralose

  • 1 A sucralose é um derivado da cana-de-açúcar.
    Verdade. Da cana-de-açúcar é extraído o açúcar, que atende pelo nome químico de sacarose. Essa molécula de açúcar passa então por um processo minucioso até chegar a uma estrutura estável chamada sucralose – um adoçante com o delicioso sabor do açúcar, mas sem calorias e sem restrições de consumo.
  • 2 A sucralose é um adoçante artificial.
    Verdade. A sucralose não é encontrada na natureza, é feita a partir da molécula do açúcar quimicamente modificada. Esse processo foi descoberto em 1976 por uma investigação científica lá em Londres, foi estudado por mais de 20 anos e aprovado pelos mais rigorosos órgãos de controle nacional e internacional de segurança alimentar.
  • 3 A sucralose possui cloro na sua estrutura molecular.
    Verdade. O cloro, aliás, é um elemento da tabela periódica bem comum em muito do que comemos. Ele aparece em forma de cloreto na alface, no tomate, em cogumelos, melões, e no sal – ou cloreto de sódio como é conhecido pela ciência. O cloreto, além de seguro e natural, quando combinado à molécula de sucralose faz com que ela passe pelo nosso corpo sem gerar nenhuma caloria. Bendito cloreto!
  • 4 Diabéticos não podem consumir sucralose.
    Mito. Diabéticos podem consumir sucralose normalmente. Acontece que a sucralose entra e sai do nosso corpo do mesmo jeitinho, sem se decompor e sem gerar calorias. Por isso, também não aumenta os níveis de glicose no sangue e é uma ótima pedida para todos que querem manter a saúde sem abrir mão do sabor.
  • 5 Mulheres grávidas e amamentando não podem consumir sucralose.
    Mito. Por ser eliminada rapidinho na urina sem se acumular no nosso corpo, estudos apontam que a sucralose também não atravessa a placenta nem chega a fazer parte do leite materno. Mas vale lembrar que quando assunto é dieta pré e pós-natal, mesmo para as comidinhas mais seguras é importante contar com o acompanhamento de um nutricionista.
  • 6 Existe uma quantidade de consumo máxima para a sucralose.
    Verdade. Segundo o Comitê Internacional de Especialistas em Aditivos Alimentares (JECFA), administrado pela FAO e pela OMS, o consumo seguro por dia de sucralose não deve ultrapassar 15mg/kg de peso corpóreo. Isso significa que uma pessoa com 60 kg pode consumir o equivalente até 110 envelopinhos de Linea Sucralose em pó, em um só dia, embora o próprio comitê não aconselha chegar a dose máxima.
  • 7 A sucralose não adoça tanto quanto o açúcar.
    Mito. Na verdade, a sucralose adoça aproximadamente 600 vezes mais que o conhecido açúcar de mesa, ainda tem a vantagem de não gerar calorias e nem provocar cáries. É só acrescentar algumas gotinhas de Linea Sucralose para deixar tudo mais saboroso.
  • 8 O sabor da sucralose é alterado em condições de calor.
    Mito. Estudos comprovaram grande estabilidade na molécula da sucralose. Em outras palavras, os átomos da sucralose formam uma combinação tão forte que permanecem juntinhos mesmo em condições extremas de temperatura e pH. Isso faz com ela possa ser usada, sem perder o seu sabor, tanto na fabricação industrial de produtos quanto naquela receita que sai fresquinha do forno de casa.

Mitos e verdades sobre a stevia

  • 1 A stevia é um adoçante natural, extraído de uma planta.
    Verdade. Descoberta no Paraguai em 1905, a stevia é um adoçante extraído das folhinhas da planta Stevia Rebaudiana, sem calorias e sem restrições de consumo.
  • 2 Diabéticos não podem consumir stevia.
    Mito. Diabéticos também podem consumir stevia sem preocupações, ela não muda nadinha o açúcar no sangue, a glicemia, e é uma opção naturalmente doce para ajudar a manter a saúde.
  • 3 Mulheres grávidas e amamentando não podem consumir stevia.
    Mito. A stevia não oferece risco algum às gravidinhas e mamães que estão amamentando, pois estudos apontam que a stevia também não atravessa a placenta e nem chega a fazer parte do leite materno, em 14 horas ela é eliminada todinha do corpo. Mas não esqueça: seu nutricionista deve ser o seu principal conselheiro em sua dieta pré e pós-natal.
  • 4 Existe uma quantidade de consumo máximo para stevia.
    Verdade. Segundo o Comitê Internacional de especialistas em aditivos alimentares (JECFA), administrado pelo FAO e pela OMS, o consumo de stevia não deve ultrapassar 4 mg/kg de peso corpóreo. Resumindo: uma pessoa com 70 kilos pode consumir até 108 gotinhas de Linea Stevia 100% ou 10 sachêzinhos em um só dia.
  • 5 O sabor da stevia é amargo.
    Depende. Linea Stevia 100% é feito com matérias-primas escolhidas com todo cuidado para deixarem o gostinho do nosso produto inconfundível, mas sem perder a naturalidade de stevia, que por ser extraída de uma planta, tem um sabor característico. Na maioria das vezes, o amargor da planta acaba aparecendo em bebidas quentes, já em bebidas frias ela apresenta um sabor naturalmente docinho.
  • 6 A stevia não adoça tanto quanto o açúcar.
    Mito. Na verdade, a stevia adoça aproximadamente 300 vezes mais que o açúcar, por ter esse alto poder de dulçor, ela é extraída para fabricarmos o adoçante. E mais: ainda tem a vantagem de não gerar calorias e nem provocar cáries. Que tal acrescentar algumas gotinhas de Linea Stevia 100% para deixar tudo naturalmente doce?
  • 7 O sabor da stevia é alterado em condições de calor.
    Mito. A Stevia pode ser utilizada em suas receitinhas sem problema nenhum, o seu sabor naturalmente doce vai deixar tudo ainda mais gostoso e saudável.

Por que reduzir o açúcar?

Que o docinho do açúcar traz uma sensação de bem-estar maravilhosa ninguém pode negar. Mas enquanto nos deliciamos, ele aumenta o nível de glicemia e, em excesso, estimula o depósito de gordura nas células e pode provocar cáries, obesidade, doenças cardíacas, entre outros.

Preocupados com o crescimento do seu consumo, principalmente, em alimentos industrializados nos quais o açúcar vem embutido, os órgãos de saúde orientam que a ingestão deste componente não deve ultrapassar 10% do consumo calórico total diário, que para um adulto é em torno de 40g/dia.

Qual a diferença entre diet, light e zero?

É desenvolvido para dietas que restringem algum nutriente, como o açúcar no caso dos diabéticos ou o glúten para os celíacos. Quando retiramos 100% de pelo menos um dos ingredientes, dizemos que o alimento é diet, mesmo que o seu valor calórico aumente.

Queridinho das dietas para perda de peso, o light nem sempre tem uma redução significativa de calorias. Chamamos de light todo alimento em que se reduz 25% de um ou mais componentes como açúcar, gorduras, colesterol ou sódio.

O termo mais recente nas embalagens. O alimento zero, como o nome já diz, também indica a exclusão total de um dos componentes. São exemplos: Zero Sódio, Zero Gordura ou Zero Açúcar (neste caso indicado para diabéticos e para quem quer dar adeus aos quilos extras).

Conheça os adoçantes e suas diferenças

Adoçantes são produtos formados por um ou mais edulcorantes. Esses, por sua vez, são substâncias naturais ou artificiais que podem adoçar mais que o açúcar fornecendo menos ou nenhuma caloria. Conheça aqui as principais diferenças entre os edulcorantes dietéticos disponíveis no mercado:

Por que reduzir o sódio?

Tempero certo na culinária do sul ao norte do Brasil, o sal comum é rico em sódio e é a principal causa de hipertensão. Hoje, existem mais de 30 milhões de brasileiros hipertensos. E todo ano 300 mil são vitimados por doenças cardiovasculares, derivadas da hipertensão – um número duas vezes maior que as mortes causadas por câncer de todos os tipos. Para reduzir o sódio e com ele, os riscos de doenças cardiovasculares, a Linea foi a primeira empresa a trazer um sal light para o Brasil – o Litesalt.

Feito para deixar tudo mais gostoso com 66% a menos de sódio, o Litesalt é formado por uma mistura de cloreto de sódio e cloreto de potássio que agem em equilíbrio hídrico: enquanto o sódio é retentor de líquido, o cloreto é diurético. Por isso, é indicado para quem sofre com retenção de líquido, hipertensão e também para prevenção de ambos. Mas antes de substituir o sal comum pelo light é importante consultar um médico, pois ele deve ser evitado por pessoas com histórico de problemas renais.

Qual o seu risco cardiovascular?

Sabe aquela barriguinha saliente? Além de prejudicar a estética, ela também pode indicar tendência a problemas de saúde. Quanto menor a cintura, menor a probabilidade de doenças cardiovasculares. E esse risco aumenta até 2% a cada centímetro que ultrapassa a medida ideal do abdômen.

Para saber se você corre algum risco cardiovascular, coloque uma fita métrica em volta do seu abdômen, um pouco acima do osso do quadril, deixando a fita paralela ao solo e justa sem comprimir a pele. Pronto, agora é só conferir as medidas na tabela abaixo.

Diga adeus às dietas milagrosas

Quem nunca ouviu falar em dieta da lua, da sopa e até do gelo? A internet está recheada de dietas que prometem fazer perder 20 kg em uma semana e trazer o amor em três dias. Não existe fórmula mágica. Então, antes de tudo: não se culpe por ter apostado em uma dieta milagrosa, infelizmente acontece. E se já aconteceu, você provavelmente sabe que não funciona, pelo menos não a longo prazo. O melhor jeito de emagrecer com saúde e evitar o efeito sanfona é aderindo a uma dieta rica em nutrientes e adequada para o seu corpo.

Para isso, é preciso admitir: vai dar trabalho. Mas certamente esse é um trabalho mais fácil que seguir qualquer dieta da lua. Isso porque quando você se permite fazer uma dieta a longo prazo, as restrições não precisam ser bruscas e extremas. Talvez não dê pra conquistar uma barriga tanquinho às vésperas do verão, mas é o caminho mais eficiente para ter um corpo lindo e saudável pelas próximas estações. Organizar refeições intermediárias como uma barrinha de cereal, por exemplo, é uma ótima dica para diminuir a fome nas refeições principais e ainda ajuda a reduzir o estresse durante o dia. Se você acha que precisa de uma mudança maior na sua dieta, procure um profissional de confiança e cuide com carinho do seu corpo.

Conheça e aproveite melhor os nutrientes

carboidratos

São a nossa principal fonte de energia e aparecem tanto em alimentos fibrosos, quanto refinados. Aqueles presentes no açúcar, arroz e macarrão convencionais são absorvidos rapidinho, causando picos de glicose e estoque de gordura. Prefira alimentos com menor teor de carboidratos.

proteínas

São responsáveis por uma série de funções, como o crescimento de unhas e cabelos, reposição da pele e construção de músculos. O segredo para consumir vai da escolha ao preparo. São fontes de proteína: carnes (prefira cortes magros) leite, ovos, soja e outros.

gorduras

São necessárias, mas em pequena quantidade. Evite gorduras saturadas e trans, escolha as gorduras boas, encontradas nos peixes, azeite e castanhas. Mas lembre-se: mesmo para as gorduras boas é importante dosar, uma colher de azeite no tempero da salada já tem cerca de 75 calorias.

vitaminas e minerais

São essenciais para o funcionamento do organismo como um todo. Por isso, quando percebemos um cansaço excessivo, dores musculares, gripes repetidas e até aquela vontade enorme de comer doce, pode ter certeza que algum destes nutrientes está em falta. Nesse caso, a dica é variar mais a dieta, deixando o prato bem colorido e o cardápio do dia rico em frutas e verduras.

fibras

As fibras agem como uma vassourinha no nosso corpo. Elas absorvem os excessos de açúcar e gordura, varrendo para fora o que não precisamos. Assim, além de reduzir essa absorção excessiva, ajudam no funcionamento do intestino. Para consumir esses faxineiros do bem, coma bastante verduras, legumes e frutas com cascas e prefira alimentos integrais.

Água

A água é indispensável para o processo de absorção dos nutrientes e sem ela o consumo de todos os nutrientes acima pode ficar prejudicado. Para repor a água que perdemos naturalmente o longo do dia é recomendado beber de 1,5 a 3 litros de água. Quem costuma esquecer de tomar água, pode deixar uma garrafa sempre à vista. A mesa do trabalho, por exemplo, é um ótimo lugar.

De quantas calorias você precisa por dia?

Você pode ainda não ter notado, mas abaixo da tabela nutricional de qualquer produto, vem o seguinte asterisco: “Valores diários de referência com base em uma dieta de 2.000 kcal. Seus valores diários podem ser maiores ou menores dependendo de suas necessidades energéticas”. Para saber exatamente sua necessidade calórica diária, só mesmo com uma avaliação de um profissional de saúde. Mas para ajudar a entender como essa necessidade varia, aqui tem uma listinha de fatores que influenciam.

Idade

Quando criança precisamos de muita energia para nos desenvolver. Como essa necessidade tende a diminuir e também a capacidade do nosso organismo em queimar calorias, é aconselhável comer menos com o aumento da idade.

Sexo

As balanças dos restaurantes a quilo estão de prova: os homens costumam comer mais que as mulheres. Acontece que eles têm mais massa muscular então acabam gastando mais energia e precisando de mais calorias para repor. Uma mulher de 30 anos com 70 kg que não pratica atividades físicas, por exemplo, gasta cerca de 1.525 calorias por dia, enquanto um homem nas mesmas circunstâncias gasta 2.029.

Atividade física

Durante um exercício, nosso corpo precisa de mais energia. Muitas vezes essa energia é retirada do estoque de gordura, ocasionando à perda de peso. Por isso, uma pessoa ativa gasta mais energia do que uma pessoa que não pratica atividades físicas, precisando de mais calorias.

Consumo de sódio

Você sabia que a recomendação da OMS (Organização Mundial de Saúde) de consumo de sódio é de 2g diárias? Isso equivale à mais ou menos 5g de sal de cozinha! Existem vários tipos de sal que, dependendo da composição, podem ser mais ou menos prejudiciais à saúde. Vamos te explicar um pouquinho mais sobre cada tipo:

Tipos de sal

  • 1 LiteSalt Linea.
    Apesar de ter um sabor um pouquinho diferente do convencional, ele possui cerca de 66% menos sódio. Sabe como? Substituímos o sódio por cloreto de potássio, o que o deixa nosso sal muito mais saudável!
  • 2 Sal Refinado.
    É o famoso sal de cozinha! Mas você sabia, que apesar de seu sabor ser o que utilizamos como referência, o sal refinado é o mais prejudicial à saúde? Isso acontece porque seu refinamento gera a perda de minerais como enxofre, bromo, magnésio e cálcio. Além disso, esse sal só é tão branquinho, por conta de uma série de processos químicos.
  • 3 Sal Marinho.
    Por não ser refinado, esse sal contém mais nutrientes. Apesar disso, sua taxa de sódio, mesmo que inferior à do sal convencional, ainda é bem alta.
  • 4 Sal Rosa.
    Apesar de ser um dos mais caros do mercado, o sal rosa é a opção mais natural. Esse salzinho possui mais de 80 minerais que variam de acordo com a região que são extraídos.
  • 5 Sal Negro.
    É rico em cloreto de sódio, ferro, potássio e magnésio, mas ainda assim, contém alto teor de sódio, o que não é nada bom para a nossa saúde, né?
  • 6 Flor de Sal.
    É mais utilizado para dar um gostinho a mais para pratos já finalizados, pois o aquecimento ou cozimento desse sal, altera o seu sabor e sua textura.